Próxima sessão do Cineclube 1968 será no Café Monjolo e com curadoria do Chapéu Azul!

Em 80 min. de exibição, três filmes sobre resistência cultural serão apresentados. A curadoria é do Teatro do Chapéu Azul.

No dia 22/10, próximo sábado, haverá sessão do Cineclube 1968 no Café Monjolo a partir das 18h.

Desta vez, a curadoria fica por conta do Teatro do Chapéu Azul, que apresenta três filmes curtos sobre resistência cultural em tempos de repressão.

A sessão terá 80 min e após, haverá discussão sobre os filmes apresentados.

O Café Monjolo fica na rua Conde de Porto Alegre, 221 – quase esq. Alberto Rosa. A entrada é franca.

Confira os filmes que integram a programação:

FILME: Enquanto a Tristeza não Vem
DURAÇÃO: 20 min | GÊNERO: Documentário
SINOPSE: O compositor Sérgio Ricardo expõe sua visão acerca da história do Brasil de JK aos nossos dias, salientando, sobretudo, os descaminhos da cultura brasileira a partir do golpe militar de 64. Ele, que foi galã da Bossa Nova, quebrou o violão nos Festivais, fez trilha sonora para o Cinema Novo, conta o que viveu da História do Brasil.

FILME: Teatro Político: uma história de utopia
DURAÇÃO: 40 min. | GÊNERO: Documentário
SINOPSE: A história de um movimento político e artístico realizado na Curitiba dos anos 60 por artistas, estudantes, intelectuais e jornalistas que acreditavam no teatro como instrumento revolucionário.

FILME: Oficina Perdiz
DURAÇÃO: 20min | GÊNERO: Documentário
SINOPSE: Perdiz instalou sua oficina mecânica em uma área pública na cidade planejada de Brasília (Brasil), no ano de 1969. Abriu seu espaço pela primeira vez para o teatro com Esperando Godot, de Becket. E não parou mais. Entre peças mecânicas e teatrais, a resistência em manter um espaço cultural inusitado na capital do país.

O QUÊ: Cineclube 1968 | Curadoria: Teatro do Chapéu Azul
QUANDO: 22/10, sábado
HORA: 18h
ONDE: Café Monjolo – Conde de Porto Alegre, 221, quase esq. Alberto Rosa
QUANTO: Gratuito

CineClube 1968 – Especial na rua! 1 ano de Piquenique Cultural

Unindo comemorações de primavera, e do primeiro ano de existência do Piquenique Cultural, seguimos itinerantes, dessa vez ocupando a via pública para projetar mais um filme (esse, o quinto), no dia 9 de outubro.

A curadoria corresponde ao Coletivo Tranca Rua, e o filme escolhido, ou melhor, o documentário Brad, uma noite mais nas barricadas, sobre a vida e a luta de Brad Will.

Apresentação do documentário:

Rebelião popular em Oaxaca, México, 2006.

Quando os paramilitares dão um tiro de fuzil no peito de Brad Will, a câmera cai, mas continua gravando.

Essa câmera passa de mão em mão, contando a história de Brad. E um pouco desse movimento de movimentos conhecido como antiglobalização.
Das ocupações urbanas em Nova York, a um piquete ecologista no Oregon, à batalha de Seattle, Praga, Quebec, Gênova, Quito, Oaxaca…

Por trás da câmera estão os amigos de Brad que, como ele, se dedicam a mostrar o que não aparece na TV.

O quê?

Filme: Brad, uma Noite Mais nas Barricadas
Diretor: Miguel Bastos (VideoHackers)
Duração: 55min
Edição de Som: BNegão e Rodrigues
UF/Ano: RJ/2007
Quando?

9 de outubro de 2011 – 19:30

Onde?

Praça Cnl. Pedro Osório – Grátis (porque o ar da rua, assim é.)

Rumo à 4ª exibição!

ó o poeta de poucas palavras...

E no sábado, dia 24/09, será exibido “Só Dez Por Cento é Mentira”, produção que  traça o olhar do poeta que ‘’inventa com a verdade’’.

Dessa vez a organização fica a cargo do Coletivo Rede. A produção cinematográfica escolhida foi o documentário do diretor Pedro Cezar, quando a companheira Ana Pessoa fez a luz brilhar com a indicação desse filme pro resto do pessoal. O filme  é um original mergulho cinematográfico na biografia e nos versos do poeta sulmatogrossense Manoel de Barros. Alternando seqüências de entrevistas inéditas do escritor, versos de sua obra e depoimentos de “leitores contagiados” por sua literatura, o filme constrói um painel revelador da linguagem do poeta, considerado o mais inovador na língua portuguesa.

Só Dez Por Cento é Mentira” ganhou os prêmios de melhor documentário longa-metragem do II Festival Paulínia de Cinema 2009 e os prêmios de melhor direção de longa-metragem documentário e melhor filme documentário longametragem do V Fest Cine Goiânia 2009.

A sessão do Cineclube 1968 inicia às 17 horas, no IMA – Instituto Mário Alves (Andrade Neves, 821) e a entrada é franca.

O que: Cineclube 1968 exibe “Só dez por cento é mentira”

Quando: Sábado, 24 de setembro

Onde: IMA (Andrade Neves, 821) – Entrada Franca

 –

p.s.: há boatos que um curto curta-metragem será exibido também antes do filme principal, algo meio rochoso.